X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!

PlanOoh - Estratégia em OOH

Quando um outodor é mais rentável que um front light?

Um front light, mesmo custando mais, é mais caro que um outdoor? Em quais situações o outdoor tem um CPM (custo por mil) mais vantajoso?

Por Leonardo Paludetto dia em Mídia OOH

Quando um outodor é mais rentável que um front light?
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

As características comerciais de um outdoor e um front são bem diferentes. Enquanto o outdoor é comercializado por bissemana (ciclo de 14 dias), sem iluminação e frequentemente veicula cartazes em papel o front light é comercializado mensalmente, possui iluminação e a produção é sempre em lona.

 

Essas diferenças refletem diretamente no preço final de cada peça e isso é bem fácil de perceber em qualquer planejamento. O que não é tão simples assim e que raramente é levado em conta na hora de avaliar a rentabilidade de um investimento em mídia OOH é quanto um outdoor teria que custar para ter uma CPM igual a de um front light. Para tanto precisamos ter em mente 4 fatores que listaremos agora e falaremos ao longo do texto. São elas:

1) Cidade que ocorrerá a campanha;

2) Época do ano que essa campanha ocorrerá;

3) Tempo de veiculação de cada um dos elementos (outdoor / painel);

4) Custo de produção das lonas ou dos cartazes.

Ótimo. Você chegou até aqui. Tome um ar e vá em frente. Entendendo o raciocínio seus investimentos terão um acréscimo de rentabilidade bem grande.

A dificuldade começa por não ser tão simples precisar ou até mesmo estimar o fluxo de carros que passam por uma via, mas tenhamos em mente que, NESSE MOMENTO, isso é irrelevante. Vamos imaginar que ambas as peças estão no mesmo terreno, ou seja o fluxo será exatamente o mesmo. Também não vamos pensar na visibilidade de cada peça agora, pois esse é um critério qualitativo e nesse texto vamos focar em critérios quantitativos apenas.

Feito esse esclarecimento temos duas variáveis que tornam cada caso um caso. São elas: A cidade que vamos ativar a mídia e época do ano que veicularemos. Isso interfere, pois um outdoor em Manaus /AM veiculando hoje (15 de maio de 2018) terá um melhor aproveitamento na exposição com luminosidade natural que um outdoor veiculado em Natal / RN, pois hoje o pôr do Sol ocorrerá 17h57 em Manaus, enquanto em Natal será 17h12. Isso resulta em um menor tempo de exposição com luz natural no outdoor contratado em Natal e quando o trânsito estiver mais intenso no final da tarde (a partir das 17h30min) o outdoor de Natal já não será tão visível, pois sabemos que por volta de 25% do fluxo de uma via acontece nesse período e a quebra na visibilidade é considerável. Ah, a época do ano interfere, pois o dia tem uma duração maior durante o verão e menor no inverno. Cada cidade "reage" de uma forma a isso, dependendo da região do planeta que ela está.

Ótimo. Agora que já entendemos que a localização e época interferem diretamente na luminosidade natural e isso é prejudicial ao outdoor, quais outros dados temos que levar em conta?


O tempo de veiculação. Enquanto o outdoor é veiculado por 14 dias os painéis são veiculados por 30 ou 31. Isso quer dizer que se um outdoor custar metade do que um front light o front será mais rentável? Talvez sim, mas talvez não. Isso por conta do custo de produção que também precisa ser avaliado. Um cartaz em papel custa bem menos que uma lona e por mais que a fonte da verba não seja a mesma, com isso quero dizer que pode ser que a produção não seja computada no planejamento de mídia, ela existe.

Um cartaz papel custa aproximadamente 20% do valor de uma lona com a mesma medida. Por mais que cada front light possa ter um formato diferente vamos usar um formato padrão de outdoor 9x3 para critério de comparação.

Usando valores médios que encontramos em vários mercados, temos que um outdoor com cartaz papel custa por bissemana 32,5% do que custaria um frontlight durante 30 dias. Já um outdoor lonado custará 55% do valor do front se veiculado por uma bissemana e 82% do valor do front light se veiculado por duas bissemanas com reaproveitamento da lona. Se descontarmos o prejuízo de exibição por conta da luminosidade já é possível cravar que nessa simulação o front light é mais rentável que o outdoor e para otimizar os investimentos do cliente optaríamos por veicular em painéis luminosos, sem sombra de dúvida. 

Para ser mais preciso, no cenário com outdoor papel o CPM entre outdoor e front light é praticamente o mesmo, variando apenas R$ 0,002. Se considerarmos o cenário com outdoor lonado durante duas bissemanas o CPM do front light será 18,86% menor que o CPM de um outdoor.

Ou seja, investir corretamente em OOH não é tão simples quanto parece. Acredito que qualquer investimento feito com o mínimo cuidado dará resultado, mas para potencializar os resultados são necessários critérios qualitativos e quantitativos.

É isso que a Planooh faz. Auxiliamos marcar anunciantes a terem o máximo retorno sobre cada real investido em mídia OOH analisando cada ação quantitativa e qualitativamente.

Quer saber mais sobre mídia OOH e sobre nossa metodologia? Entre em contato.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui: